Dupla cidadania: os principais benefícios de investir em uma

Muitas pessoas que têm familiares nascidos em outros países se perguntam se a dupla cidadania vale ou não a pena. Além disso, quais são os direitos e as obrigações que ela traz? Quais as vantagens? São muitas questões ao mesmo tempo!

Nesse post iremos mostrar os principais benefícios de investir em uma dupla cidadania.

A dupla cidadania vale a pena?

Sem qualquer sombra de dúvida ter dupla cidadania vale muito a pena. Por diversos motivos. Em primeiro lugar, caso você queira morar em outro país, como os Estados Unidos, por exemplo, é muito melhor que você tenha todos os direitos de um cidadão americano assegurados. Isso é o sonho de vida de muitas pessoas.

As fronteiras do mundo e as oportunidades costumam se ampliar para um cidadão americano. Por isso não é fácil conseguir a cidadania desse país. E por isso também que ela é tão desejada.

É importante mencionar, no entanto, que com a dupla cidadania, você não precisa abrir mão da nacionalidade brasileira para ter a estrangeira.

Um outro ponto importante é que muita gente que solicita a dupla cidadania está tentando resgatar as suas origens estrangeiras. Principalmente para tentar entender quais são os seus direitos, no caso de querer se mudar para ir morar em outro país.

A dupla cidadania ou cidadania múltipla acontece quando uma pessoa é titular de mais de uma nacionalidade ao mesmo tempo. Isso não é uma coisa difícil de se conseguir, mas exige o cumprimento de alguns critérios que serão tratados em breve nesse texto.

dupla cidadania é vinculada às raízes de sua família e é independente da cidadania que você já tenha. Ela acontece através do acúmulo de duas nacionalidades diferentes e autônomas.

Os países possuem regras diferentes para alguém ter dupla cidadania, como não poderia deixar de ser. Afinal, uma pessoa que nasceu nos Estados Unidos, obedece a leis diferentes e específicas das leis de quem pertence à população brasileira.

Em geral, os países permitem que alguém tenha a dupla cidadania através de jus sanguinis (sua relação sanguínea) ou por jus soli (naturalização), por conta da imigração.

Leia outros posts do nosso BLOG que podem te interessar!

· Saiba como é a vida de um imigrante nos Estados Unidos

· Abrir empresa nos EUA dá direito a Green Card?

· Intercâmbio em Família: entenda como funciona

O que diz a constituição brasileira sobre dupla cidadania?

A Constituição Federal Brasileira prevê algumas possibilidades para que se possa solicitar a dupla cidadania:

· No caso da nacionalidade ser admitida através das condições da lei estrangeira, que permitiriam que os filhos ou descendentes de seus cidadãos sejam reconhecidos;

· No caso de a naturalização ser realizada por conta de exigências das leis estrangeiras para a permanência do cidadão no território daquele país; e

· No caso onde seja indispensável a necessidade do exercício dos direitos civis.

Sendo assim, é permitido ao brasileiro ter dupla nacionalidade se ele nasceu em outro país, por conta de sua ascendência ou por naturalização, conforme as leis vigentes em ambos os países.

Quando esta dupla cidadania é efetivada, o cidadão brasileiro passa a ter obrigações e direitos dos dois países, o que é um grande benefício. Isso se faz realidade mesmo que as regras dos países sejam completamente incompatíveis ou diferentes entre si.

Os conflitos dessas obrigações podem acontecer quando há legislações muito diferentes entre as nações, como a associação com direitos civis.

Principais benefícios da dupla cidadania

· Estar sobre a garantia de proteção e segurança de mais de uma Nação, em caso de conflitos, guerras etc;

· Ter a possibilidade de mudar de país em busca de oportunidades profissionais melhores, tendo todas as garantias de um cidadão comum deste país;

· Não haver a necessidade da frequência de tirada de vistos;

· Gratuidade ou descontos nos estudos;

· Poder resgatar a história de sua família;

· Quando a segunda cidadania é de algum país da União Européia, é possível viajar livremente entre os países dessa região; e

· Ainda quanto a questão da dupla cidadania ser européia, é possível viajar para países como Canadá, Japão e Estados Unidos sem a necessidade do visto.

Como solicitar a dupla cidadania?

O processo de solicitação da dupla cidadania pode ser bem burocrático e demorado. É preciso ter paciência e se atentar para as necessidades exigidas pelo dois países para ter direito ou não à dupla cidadania. Sendo assim:

1. Certifique-se de que você se encaixa em alguma das alternativas permitidas pela constituição brasileira;

2. Procure o consulado do país para o qual está interessado em abrir o processo de nacionalidade;

3. Organize e entregue os documentos necessários; e

4. Pague as taxas necessárias e aguarde.

Se o processo de dupla nacionalidade começar no Brasil, pode ser que demore um pouco mais. Isso porque o reconhecimento de dados do solicitante é mais ponderado.

No caso do processo ser aberto no país da nacionalização, é muito mais comum que tudo seja mais rápido. No entanto, os custos podem ser mais caros, contando com hospedagem e passagem, por exemplo.

Mas no caso da solicitação de dupla cidadania ser por ascendência, não há necessidade de residir ou estar no país. Uma exceção se faz no caso da Espanha, onde será preciso residir no território ao menos um ano se você for bisneto de espanhóis.

Quanto custa o processo de dupla cidadania?

Hoje existe a facilidade de cartórios online para ajudar você a obter alguma documentação, acelerando o processo.

O custo do processo depende conforme a necessidade e a trajetória que cada um escolhe para seguir. No Brasil, o custo mínimo fica em média entre R$ 5 mil e R$ 15 mil.

Agora que você já sabe quais os principais benefícios de investir em uma dupla cidadania, que tal conversar com a ImigreFácil sobre seu sonho? Acesse nosso site e entre em contato.